Nunca estamos a salvo da crítica dos demais

Um homem estava viajando com o filho e um asno. O pai ia montado no asno e o filho o conduzia.

– Pobre jovem – disse alguém que passava ao lado, – suas perninhas mal podem acompanhar o ritmo do animal. Como se pode viajar tão à vontade vendo que o pequeno se esgota caminhando?

Isso tocou o coração do pai, que desmontou imediatamente e colocou o filho sobre o asno.

Não passou muito tempo até que outro exclamasse:

– Que vergonha! O malandrinho viaja como um sultão montado no asno, enquanto seu pobre pai ancião tem de ir à pé!

Isso magoou o menino e ele pediu ao pai que montasse na garupa.

-Oh, onde já se viu absurdo igual! – resmungou uma mulher ao ver a cena. – Mas que crueldade! Desse jeito, quebram a coluna do pobre asno e os dois vadios, o velho e o menino descansam sobre ele como se fosse um divã. Pobre animalzinho!

Arrependidos, desmontaram do asno sem dizer uma palavra. Mas haviam dado alguns passos atrás do animal, quando um desconhecido se riu deles e perguntou

-Vocês estão levando o asno para passear?

O pai, enquanto dava um punhado de palha ao burro, dirigindo-se ao seu filho, comentou:

-Não importa o que façamos, nunca estaremos a salvo das críticas dos demais.


 

Conto Sufi do livro:

Era uma Vez … os contos como terapia

Editora: Instituto Girasol do Brasil

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Leave a Reply